Accessibility links

Breaking News

EUA apoiam a declaração do G7 sobre a educação de meninas


Samantha Power, embaixadora dos EUA na ONU

A educação de meninas é uma das ferramentas mais poderosas para tirar as pessoas da pobreza, minimizar a desigualdade e lançar as bases para o crescimento económico sustentado. Por cada ano de educação de uma menina, o seu potencial de conquistar o seu futuro aumenta em 10 por cento. Uma criança cuja mãe pode ler tem 50 por cento mais de probabilidades de viver além dos cinco anos de idade, duas vezes mais de probabilidades de frequentar a escola e 50 por cento mais de probabilidades de ser imunizada.

No entanto, mesmo antes da pandemia da Covid-19, cerca de 132 milhões de meninas estavam fora do sistema escolar em todo o mundo.

As razões são muitas e variam de país para país. Entre elas estão a pobreza, desigualdade, discriminação de género e violência baseada no género, incluindo o casamento infantil e forçado. Recentemente, no auge da pandemia, a Covid-19 interrompeu a educação de cerca de 1,6 mil milhões de crianças. A Unesco estima que 11 milhões de meninas podem não voltar à escola após o fim da pandemia.

É por isso que, no início de Maio, o G-7, o grupo dos sete países mais industrializados, Canadá, França, Alemanha, Itália, Japão, Reino Unido e Estados Unidos, publicou a Declaração de Educação de Meninas, que define duas novas metas globais ambiciosas para a educação de meninas em países de baixa e média baixa renda. A primeira meta é colocar mais 40 milhões de meninas na escola até o ano de 2026. A segunda é ajudar a garantir que mais 20 milhões de meninas possam ler até os 10 anos de idade até 2026.

Os Estados Unidos apoiam a Declaração de Educação de Meninas do G-7. “Sabemos que, a menos que consigamos colocar essas meninas de regresso à escola, o mundo corre o risco de produzir uma geração perdida”, disse a administradora da USAID, Samantha Power, quem representou os Estados Unidos na recente reunião ministerial do G-7 para as Relações Exteriores.

“A assistência americana desempenha um papel fundamental na melhoria da vida das meninas, desde o dia em que nascem até a idade adulta, e é adaptada para atender às suas necessidades específicas ao longo do seu desenvolvimento. A estratégia governamental é projectada para garantir que as meninas sejam educadas, saudáveis e livres do medo, da violência e da discriminação”, disse ela.

“Alguns dos maiores retornos do investimento que vemos na assistência externa dos EUA vêm do nosso trabalho para garantir que as mulheres alcancem o seu potencial máximo. Por cada aumento de 10% na frequência escolar das meninas, o PIB de um país aumenta em 3 por cento”, acrescenou a embaixadora Samantha Power.

“Juntos podemos construir em décadas de experiência no apoi

XS
SM
MD
LG