Accessibility links

Breaking News

Campanha contra a oposição política na Rússia


Alexei Navalny / Vladimir Putin

A três meses das eleições parlamentares na Rússia, o Governo intensificou a sua repressão contra os opositores políticos e críticos do Presidente Vladimir Putin. Em Abril, a prisão do activista anticorrupção e principal opositor de Putin, Alexey Navalny, após o seu regresso da Alemanha, onde foi tratado a um envenenamento pelo agente neurotóxico Novichok, deu origem a multitudinários protestos não autorizados contra Putin. Desde então, as autoridades russas não mediram esforços para debilitar ou eliminar quase todas as organizações de oposição do país.

O golpe mais significativo contra a oposição aconteceu a 9 de Junho, quando um tribunal de Moscovo considerou os escritórios políticos de Alexey Navalny, assim como sua Fundação Anticorrupção, organizações “extremistas”. Como resultado, a Fundação será liquidada e a sua propriedade transferida para a posse da Federação Russa, e os escritórios políticos devem cessar imediatamente todas as actividades. Qualquer pessoa que continuar o trabalho da organização, ou tentar reanimá-la, pode ser condenado a até seis anos de prisão.

Os Estados Unidos condenam a decisão do tribunal, disse o porta-voz do Departamento de Estado, Ned Price, em comunicado. “Esta designação coloca funcionários, voluntários e milhares de apoiantes em toda a Rússia em risco de processo criminal e prisão por exercerem direitos humanos fundamentais garantidos pela Constituição russa e restringe ainda mais a capacidade dos candidatos da oposição de comparecerem às urnas em Setembro nas eleições legislativas para a Duma. Com esta acção, a Rússia efectivamente criminalizou um dos poucos movimentos políticos independentes remanescentes do país”, disse o porta-voz Ned Price.

Ele observou que o desmantelamento da organização de Alexey Navalny é um indicativo da crescente repressão do Governo russo à oposição política, sociedade civil e mídia independente. "O sr. Navalny continua com a saúde debilitada, preso por motivos politicamente fabricados. Apelamos novamente à sua libertação imediata e incondicional”, disse o porta-voz.

“Instamos a Rússia a cessar o abuso de designações de “extremismo ”para atingir organizações não violentas, acabar com a repressão contra o Sr. Navalny e seus apoiantes e honrar as suas obrigações internacionais de respeitar e garantir os direitos humanos e as liberdades fundamentais. O povo russo, como todos os outros, tem o direito de falar livremente, formar associações pacíficas para fins comuns, exercer a liberdade religiosa e ter as suas vozes ouvidas em eleições livres e justas”, concluiu o porta-voz do Departamento de Estado.

XS
SM
MD
LG