Accessibility links

Breaking News

Levar a estabilidade ao Sahel


Soldados chadianos durante treino Flintlock 2014, liderado pelos EUA para milutares africanos em Diffa, Niger, Março 2014 (arquivo)

Os Estados Unidos estão a trabalhar com a região do Sahel de África - uma faixa ecológica que se estende desde a costa atlântica do Senegal, a oeste, até às margens do Mar Vermelho, no Sudão. Também se refere frequentemente a cinco Estados da África Ocidental, incluindo o chamado "G5-Sahel", incluindo Burkina Faso, Chade, Mali, Mauritânia, e Níger. "Estamos aqui para trabalhar consigo para ajudar a trazer segurança, estabilidade e boa governação ao povo do Sahel", disse o Subsecretário de Estado para os Assuntos Políticos David Hale à Coligação Internacional para a Conferência Ministerial do Sahel.

A instabilidade tem aumentado no Sahel apesar da colaboração da coligação para romper as redes terroristas. O número de pessoas deslocadas no Sahel central é agora 11 vezes maior do que era há dois anos. O número de pessoas que enfrentam uma situação de fome aguda triplicou ao longo do último ano.

Com estas condições terríveis à vista, o Subsecretário Hale anunciou mais de 80 milhões de dólares em assistência humanitária adicional para a região. "Ao trabalharmos para aliviar o sofrimento, comprometemo-nos novamente a apoiar os nossos parceiros africanos no seu trabalho para enfrentar não só o sofrimento, mas também os factores de conflito", disse ele.

As populações rurais necessitam de acesso a serviços básicos a curto prazo e de mecanismos que encorajem oportunidades económicas e resolvam litígios a longo prazo. Estes podem ajudar a contrariar o apelo do recrutamento de grupos terroristas e a prevenir conflitos intercomunitários.

Além disso, os grupos e pessoas marginalizados em toda a região - especialmente aqueles que estão longe das sedes do poder nacional - precisam de ter voz na forma como são governados.

Os governos devem também proteger o seu povo. Quando as forças de segurança violam e abusam dos direitos humanos, os governos devem responsabilizar os abusadores.

A estabilidade do Mali é crítica para a região mais vasta, observou o Subsecretário Hale: "Louvamos o empenho do governo de transição na governação há muito necessária, na luta contra a corrupção e nas reformas de segurança. Contudo, acreditamos que a implementação dessas reformas deve começar agora e ser entregue a um governo democraticamente eleito e representativo até à data limite de Abril de 2022, tal como o governo de transição concordou".

As democracias provaram ser mais estáveis, abertas, empenhadas nos direitos humanos, favoráveis ao crescimento económico e menos propensas ao conflito do que as formas antidemocráticas de governação

"Esperamos continuar o nosso trabalho com os nossos parceiros africanos e europeus", disse o Subsecretário Hale, "para ajudar a criar uma região do Sahel mais próspera e estável".

XS
SM
MD
LG